15 de agosto de 2022

Jundiaí /SP

Presença massiva dos fiéis na Catedral marca Missa do Crisma

Após dois anos de restrições por conta da pandemia, a Catedral Diocesana Nossa Senhora do Desterro retumbou de alegria na noite de 13 de abril ao acolher fiéis, religiosos, seminaristas, presbíteros e diáconos para a Missa do Crisma, uma das celebrações que marca a Semana Santa.

Nessa missa, Dom Vicente Costa, presidente da celebração, consagrou o Óleo do Crisma e abençoou o Óleo dos Enfermos e dos Catecúmenos, óleos estes que, distribuídos entre as paróquias da Diocese, serão usados ao longo do ano nos diversos sacramentos.

Além dos óleos, a missa também é marcada pela renovação das promessas sacerdotais feita pelo clero diocesano, maciçamente presente. A liturgia da missa crismal evidencia a imagem da Igreja, do povo sacerdotal que deve crescer na unidade do Espírito para anunciar a Boa Nova do Evangelho.

Durante a homilia, Dom Vicente destacou o significado do Óleo na vida dos fiéis cristãos. Ele recordou o óleo com o qual eram ungidos os profetas e os sacerdotes do povo de Israel; o óleo que curou as feridas do homem violentado na parábola do Bom Samaritano; e do óleo que mantem as lâmpadas acesas na parábola das Dez Virgens.

“A unção com o óleo é a unção que envia para anunciar a libertação. O óleo faz proclamar o ano de graça do Senhor. A unção de Cristo redentor liberta a humanidade dos pecados. Jesus é o ungido por excelência que durante toda a vida, ungiu o povo com a Palavra que ele pregava. O óleo se espalha para difundir a vida nova. A unção do Espírito faz Cristo ungir toda a humanidade, principalmente sua Igreja, para que todos nos tornemos testemunhas da unção do Senhor”, disse Dom Vicente.

Aos presbíteros, o Bispo exortou: “Nós fomos ungidos para ungir o povo que o Senhor nos confiou. Nós somos ungidos com o óleo da alegria e esta alegria deve ser transmitida para o povo”.

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Rolar para cima