20 de abril de 2021

Jundiaí /SP

“Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10, 33-34).

 

A Igreja no Brasil convoca a sociedade brasileira para uma Ação Solidária Emergencial que promova gestos concretos de ajuda às famílias em situação de vulnerabilidade diante da pandemia de Coronavírus.

A Campanha “É Tempo de Cuidar”, lançada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Cáritas Brasileira, em 12 de abril, domingo de Páscoa, deseja promover e incentivar ações de apoio material, emocional e religioso aos afetados pelo avanço do Coronavírus por todo o país.

Nesse sentido, na Diocese de Jundiaí, desde sempre, as paróquias e comunidades realizam trabalhos de promoção da dignidade humana e também ações de solidariedade com pessoas em situação de vulnerabilidade social. E neste especial momento de Pandemia, não podia ser diferente, os fiéis leigos têm se unido em ações de solidariedade.

Há iniciativas individuais como a de Maria Rosangela Moretti, assistente social e coordenadora de projetos Cáritas Diocesana, que se dispôs a fazer compras em supermercados e farmácias para a família – mãe e irmã, que se encontram entre os grupos de maior risco, como para os filhos casados que tem filhos pequenos.

Há também o esforço de profissionais liberais como pedagogos, psicólogos, que colocam suas habilidades para ajudar. Outro exemplo vem dos professores, que têm utilizado a tecnologia para não permitir que seus alunos fiquem sem o conteúdo escolar.

Grupos de voluntários, instituições públicas e privadas também têm se mobilizado e promovido campanhas solidárias em favor dos moradores de periferia, dos moradores de rua, entre outros grupos que tiveram a sua situação agravada após a pandemia.

As paróquias e comunidades recrutam um verdadeiro exército de caridade dedicado a ações sociais. Só para citar alguns exemplos, em Jundiaí, a Paróquia Santo Antônio de Pádua, localizada no Bairro Ivoturucaia, serviu de posto de vacinação para a população do bairro, numa parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, facilitando o acesso dos idosos a esse importante serviço. Dias depois, também no salão paroquial, a Secretaria Municipal de Assistência Social, num trabalho conjunto com o Conselho Geral dos Vicentinos, entregou 120 cestas básicas a famílias necessitadas, facilitando a logística de entrega desses mantimentos.

No Bairro da Colônia, a Paróquia Sagrado Coração de Jesus mantém um importante atendimento e assistência às famílias e aos imigrantes, com distribuição de alimentos. A paróquia atende cerca de 200 famílias, com doações dos paroquianos e também de uma empresa de cestas-básicas da cidade. Diariamente, são atendidas famílias de vários bairros de Jundiaí, como: Jardim Fepasa, Meias Aço (Sorocabana) Anhangabaú,  Jundiaí Mirim , Vila Rio Branco,  Vila Marlene,  Vila Maringá entre outros.

A Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus, localizada na Vila Rio Branco, alcançou um total aproximado de 1.500 quilos de alimentos arrecadados, atendendo 48 famílias cadastradas e outras 26 famílias extras. A forma de arrecadação entre os paroquianos já é tradição: em todo o terceiro final de semana do mês, os fiéis, apresentam suas contribuições em alimentos, no momento do ofertório, e depositam em containers. Esses alimentos são encaminhados ao Dispensário Vicentino Juvenal Arantes que faz a montagem das cestas básicas de acordo com o cadastro das famílias. Esse cadastro é realizado pelas Conferências Vicentinas quando da visita aos assistidos. No último sábado de cada mês, as famílias retiram suas cestas no Dispensário, após ouvirem uma catequese baseada na Palavra e tomarem um café da manhã.

Na Vila Progresso, a Paróquia São Roque realizou campanhas arrecadando cerca de uma tonelada de alimentos. Mas não ficou só nisso, uma segunda campanha serviu para arrecadar fraldas geriátricas. Mais de 40 pacotes foram doados aos idosos das comunidades paroquiais.

A comunidade da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e São José  usou as redes sociais e cartazes, estimulados pelos pedidos nas missas on-line e na meditação bíblica que acontece às terças feiras, além de um áudio compartilhado via whatApp com todos os grupos de agentes de pastoral e movimentos da paróquia para arrecadar o suficiente para distribuir 40 cestas básicas entre assistidos frequentes e alguns que buscaram auxílio na paróquia. A distribuição ocorreu na manhã do sábado, dia 25 de abril, no salão embaixo da Capela de São Francisco, no Jardim Tamoio. Todos os voluntários usaram máscaras e álcool gel, sem permitir aglomeração.  A campanha vai se repetir neste mês de maio e a entrega das doações está marcada para o dia 30.

Em Jundiaí – Mirim, as arrecadações da Paróquia Nossa Senhora do Carmo somaram cerca de 500 quilos de alimentos, que foram distribuídos pelos Vicentinos de cada comunidade às famílias carentes dos bairros pertencentes ao território paroquial.

Outro exemplo veio da cidade de Itupeva, da Paróquia São Sebastião que doou 200 cestas básicas, além de produtos de limpeza e higiene. As famílias novas retiraram as doações no dispensário da Igreja, no último sábado do mês.  Já as famílias cadastradas estão recebendo as cestas em casa, que são levadas pelos Vicentinos. Por sua vez, os moradores de rua receberam roupas de cama e de banho, numa campanha realizada em parceria com o Fundo Social de Solidariedade da cidade, arrecadando cerca de 350 itens. Para a Comunidade Santa Luzia, de Campo Limpo Paulista, bem como para famílias assistidas pela Paróquia também foram doadas roupas. Cerca de 500 peças foram entregues no total. Toda distribuição foi realizada pelos Vicentinos.

Em outra dimensão, as Pastorais Sociais Diocesanas, formadas exclusivamente por voluntários, continuam no caminho humano e cristão de se converter a serviço da vida. Cada pessoa e cada grupo em sua paróquia e comunidade vem buscando e encontrando formas criativas de lidar com o sofrimento das pessoas em vulnerabilidade social e suprir as necessidades desse tempo.

A Pastoral Diocesana do Empreendedor Cristão tem contribuído com empresários, comerciantes, profissionais liberais, oferecendo orientações, acompanhamento e apoio espiritual, buscando, dessa forma, maneiras de ajudá-los a enfrentar esse momento de pandemia.

 

E não tem sido diferente com as entidades sociais que atendem populações vulneráveis. Elas têm travado verdadeiras batalhas para se manter diante dos cortes de patrocínio e falta de doações.

Casos como o do Sítio Agar, que realiza um trabalho de acolhimento de crianças, jovens e idosos, e que não está recebendo a ajuda financeira que normalmente recebe e com a proibição da promoção de seus bazares e eventos em geral, viu sua arrecadação despencar. O jeito foi se reinventar e lançar uma ação na internet. Cheios de esperança e contando com a boa vontade das pessoas que conhecem o trabalho desenvolvido pela entidade, o Sítio Agar está aceitando alimentos, depósito ou transferência no Banco Bradesco – Agência 0657 – Conta Corrente 0157499-0 – CNPJ: 05.119.104/0001-33. Mas se o doador preferir pode entrar em contato pelo telefone (11) 4448-1243. Assim, nesse momento de distanciamento e isolamento, toda forma de ajuda é bem-vinda.

Outro caso é o do Conselho Geral dos Vicentinos de Jundiaí, que na Diocese de Jundiaí atende mais de 1200 famílias. Com a atual situação, chegam informações das Conferências Paroquiais relatando o aumento dos pedidos de ajuda. E mesmo sem poder visitar as famílias, os vicentinos que pertencem ao grupo de risco se unem e pedem ajuda aos membros mais jovens para que possam ir até a casa dos assistidos.

Para arrecadação de alimentos, as Conferências contam, nesse momento, com a ajuda das paróquias e comunidades, criando pontos de coleta no bairro, com dia e horário marcados para levarem as doações, no sistema drive-thru nas sedes vicentinas, campanha com amigos e familiares e ainda partilhando as doações que sobram de uma unidade, que são destinadas a outras que faltam. Parcerias também vem sendo criadas e vale salientar a participação da Cáritas Diocesana que se preocupa muito com a vulnerabilidade das famílias.

Para o presidente do Conselho Central de Jundiaí, Denílson Cardoso de Sá, o que motiva a continuidade da missão é que: “Devemos seguir o exemplo de Jesus Cristo, evangelizar dos Pobres! Temos que nos cuidar, sem deixar de ir ao encontro daqueles que mais precisam. É hora de reinventarmos o nosso trabalho para que os assistidos não sejam desamparados. Servir aos Pobres como se fosse o próprio Cristo!”, declarou.

Para ajudar, procure a Conferência dos Vicentinos de sua paróquia ou ligue: (11) 4586-1844.

Somam-se aqui, em condições igualemente de luta, o Serviço de Obras Sociais (SOS), a Casa Santa Marta, A Casa da Criança, o Lar Nossa Senhora das Graças, o Aprendizado Dom José Gaspar, entre tantas ourtras entidades assistenciais.

De todas as formas, as iniciativas e a ajuda a quem mais precisa não param. É preciso que haja envolvimento de todos para garantir a dignidade humana, porque neste momento de crise, para além da prevenção da propagação da Covid 19, nós cristãos não podemos esquecer que outras necessidades afetam as pessoas.  A situação pede criatividade e, principalmente solidariedade e fraternidade.

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Rolar para cima