27 de setembro de 2021

Jundiaí /SP

Testemunhas da Ressurreição

“Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância” (Jo 10,10)

 

Caríssimos leitores e leitoras: no último dia 12 de abril, celebramos a festa da Páscoa que, para os cristãos, representa a ressurreição de Jesus Cristo, consagrando, assim, a vitória da vida sobre a morte. Por isso, penso que é um tempo bastante oportuno para refletirmos sobre a vida e o seu sentido. Durante sua vida, Jesus nos ensinou que ele veio para nos dar a vida, e que esta fosse plena e abundante para todos (cf. Jo 10,10).

Lamentamos, todavia, considerar esse aspecto à luz da pandemia da Covid-19 que estamos enfrentando e que tanto nos ameaça. Cremos que a vida sempre é um dom do infinito amor de Deus que nos amou por primeiro. Cremos ainda que ela é um bem precioso, um valor inestimável e tem sentido desde o seu início até seu ocaso natural. Infelizmente alguns não acreditam nisto e promovem, a todo custo, a cultura de morte, mesmo neste tempo da pandemia, quando vivemos o grande drama de perceber a vulnerabilidade da vida e como precisamos defendê-la a cada momento.

Penso que diante de todo este cenário atual, é necessário pensar sempre como Jesus: devemos defender e promover o dom da vida e da vida em plenitude para todos. Podemos fazer isto não cada um agindo por si mesmo, do jeito que pensa e quer agir, mas percebendo a importância de descobrir caminhos de ação conjunta, buscar soluções de ajuda mútua, assumir caminhos comuns de solidariedade, vivenciar juntos a caridade fraterna, a exemplo do Mestre que nos ensinou, por palavras e por seu gesto heroico de amor até o fim, “que não há maior amor do que aquele que dá a própria vida por seus amigos” (cf. Jo 15,13).

Por isso, como não lembrar nestes dias, com renovada e sincera gratidão, tantos que, de uma maneira ou outra, são sinais de esperança e consolo para aqueles que sofrem momentos de solidão e sofrimento. Sua presença assegura-lhes uma assistência preciosa, em âmbito médico ou social, além do calor humano, do diálogo fraterno e da ternura oferecida. São verdadeiras testemunhas da gratuidade da vida, a forma mais eloquente do testemunho evangélico que leva a sociedade a ser mais atenciosa com a dignidade humana. Esta é a grande lição que podemos colher desta crise humanitária da pandemia: sermos educados para criar e fortalecer a cultura de solidariedade e acolhida, aberta às necessidades das pessoas mais frágeis e necessitadas. Tenhamos a plena certeza de que quem sofre compreende mais o valor do dom divino da vida para si mesmo e para os outros.

Só assim é que poderemos celebrar, de fato, a ressurreição de Jesus. De nada adiantaria se vibrássemos com a vitória de Cristo sobre a morte, e nada fizéssemos para que ele ressurja em cada um e cada uma de nós. Pouco ou nada adiantaria crer na força do Ressuscitado, se a sua nova vida não se tornasse palpável e visível naqueles que não têm a vida plena. Que o nosso testemunho de caridade fraterna e solidária faça com que haja vida, e vida em abundância para todos, principalmente neste tempo da pandemia. Sejamos verdadeiras testemunhas da Ressurreição!

Publicado no Jornal de Jundiaí em 03.04.2020.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Rolar para cima