Solidariedade aos irmãos venezuelanos

A Diocese de Jundiaí se solidariza com o Projeto Caminhos de Solidariedade da Diocese de Roraima, que quer proporcionar a integração de famílias venezuelanas a partir da acolhida solidária nas dioceses e paróquias. Recentemente, entre os dias 12 e 19 de março, Dom Vicente Costa, Bispo Diocesano, visitou a Diocese de Roraima, e conheceu o trabalho do Estado e da Igreja diante da questão dos imigrantes e refugiados venezuelanos. Da parte do estado, são 13 “Abrigos da Força Tarefa” do Projeto da Operação Acolhida, aos cuidados do exército brasileiro, da ACNUR (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados) e outras organizações voluntárias. E quanto a contribuição da Igreja para enfrentar e amenizar este problema social, as principais ações vêm da Cáritas Diocesana que tem vários Projetos de ajuda em parceria com várias organizações nacionais e internacionais: Centro de Migração e Direitos Humanos, Médicos sem Fronteiras, Fundo das Nações Unidas para a Infância, Pastoral dos Migrantes, Pastoral da Criança. Com a ajuda humanitária emergencial da Cáritas em doze municípios de Roraima, atualmente são mil e duzentas famílias recebendo apoio, mais de oito mil pessoas atendidas diretamente. Uma das formas de ajuda é o cartão alimentação, onde cada família pode ir ao supermercado comprar alimentos e produtos de higienes, requisitos básicos para qualquer ser humano.

E para acompanhar essas ações e poder descobrir novas formas de ajuda aos irmãos venezuelanos, entre os dias 9 e 13 de abril, a coordenadora de Projetos da Cáritas Diocesana de Jundiaí, Maria Rosangela Moretti, participará do 1º Encontro Nacional de Formação em Migração e Refugio, em Boa Vista, representando a Diocese e o Regional Sul 1.

Mas todos podemos ajudar os irmãos venezuelanos. O Fundo Nacional de Solidariedade e Plano Nacional de Integração “Caminhos de Solidariedade”, que procura acolher famílias ou grupo de venezuelanos em nossa Diocese, são alguns desses valiosos meios.

Você pode acolher uma família de venezuelanos?

Com o apoio da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Diocese de Roraima juntamente com outras entidades parceiras lançou o Plano Nacional de Integração “Caminhos de Solidariedade: Brasil e Venezuela”. Um dos objetivos da iniciativa é fortalecer os laços de igrejas solidárias e, ainda, o projeto Meios de Vida que consiste em apoiar os imigrantes para executar pequenos empreendimentos solidários em vários municípios do Estado de Roraima.

Atualmente, Roraima acolhe centenas de venezuelanos, mulheres e homens ou famílias inteiras em busca de alimentos, tratamento de saúde, trabalho e moradia.  Esse número já chega a 10% da população local. Neste contexto, o Plano Nacional de Integração “Caminhos de Solidariedade: Brasil e Venezuela” pretende alcançar cerca de 90 dioceses, para que acolham migrantes e refugiados venezuelanos em seus territórios por meio de ações solidárias que visam promover, além da acolhida, a proteção, promoção e integração dos migrantes no Brasil.

A iniciativa tem hoje o apoio do Fundo Nacional de Solidariedade (FNS) e já conta com mais de 700 imigrantes cadastrados e que livremente querem ser integrados onde houver acolhida.

O Bispo de Roraima, Dom Mário Antonio da Silva, enviou a todas as dioceses do Brasil, uma carta que estimula o acolhimento de venezuelanos. Os interessados em acolher uma família, devem se cadastrar no site www.caminhosdesolidariedade.org.br e preencher o formulário de acolhimento para receber uma família migrante ou pessoas venezuelanas. “Peço-vos encarecidamente que nos ajude nesta grande missão!”, diz o bispo.

Leia a íntegra da Carta:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *