11 de abril de 2021

Jundiaí /SP

Ressuscitados pela Fé!

“Viu e creu” (Jo 20,8).

 

Já faz mais de um ano que fomos todos surpreendidos por esta pandemia que insiste em nos impor um tempo tão difícil e desafiador para todos nós. Quando pensávamos que iríamos neste ano recomeçar uma vida nova, voltando à vida normal de antes, tudo parece ter se tornado ainda mais complexo e mais grave, pois, o número de infectados aumentou assustadoramente.

E neste cenário chegamos hoje ao Domingo de Páscoa, que tem como significado mais genuíno, a passagem da morte para a vida. Páscoa é, para o mundo cristão, a celebração que recorda que Jesus, mesmo passando pela morte, e morte de cruz, venceu por todos e para todos, o poder da morte. Páscoa é, portanto, a solenidade da vitória da vida sobre a morte. Creio que, iluminados por esta perspectiva pascal, é que precisamos olhar à nossa volta e para toda essa terrível realidade que tanto nos desafia. Penso que dois verbos podem ser extremamente imprescindíveis para encarar a realidade de uma outra perspectiva: “ver” e “crer”.

De fato, o Evangelho de São João (cf. Jo 20,1-10) conta-nos que, ao amanhecer do domingo, após a morte e sepultamento de Jesus na sexta-feira, tendo recebido de Maria Madalena a notícia de que o corpo de Jesus não estava mais no túmulo, dois de seus discípulos, Pedro e o discípulo que Jesus amava correm ao túmulo. Chega primeiro o discípulo amado, mas não entrou. Após a chegada de Pedro, o discípulo amado também entrou no túmulo, “viu e creu” (Jo 20,8).

“Ver” não implica apenas um olhar rápido e superficial, mas sim, ver com o desejo de ter um olhar transcendental, de enxergar além da simples aparência, de forma que a realidade, por mais sofrida que seja, não consiga tirar de nós os valores essenciais que nos movem e nos motivam a continuar vencendo e lutando, com a firme esperança de que um dia esta tempestade vai passar. E assim “crer” acaba sendo nosso porto seguro, porque abre nossa visão para enxergar a presença de Alguém que nos compreende, pois, segundo Léon Bloy (1846-1917): “Deus leva a sério o sofrimento humano”. Ou seja, crer na força sobrenatural que tem o poder de cuidar de nós e sarar nossas feridas, mesmo profundamente machucados por tanto isolamento que, muitas vezes se transforma em vazio e solidão, ou chorando de saudade por tantas perdas irreparáveis de familiares e amigos; crer firmemente num Deus que não brinca com a nossa dor e nem com as nossas lágrimas, porque não está alheio ou indiferente às nossas angústias e enigmas existenciais.

Seguramente, mais do que nunca, precisamos crer em Alguém que ressuscitou e que venha “ressuscitar” toda a nossa fragilidade humana. Sim, o nosso coração anseia que este ser humano, fraco como nós, mas ornado com o poder divino, nos ajude a passar da “via da Cruz” para a “via da Luz”, do “caminho da morte” para o “caminho da Vida”. Todos nós estamos precisando da Luz e da Vida do Cristo Ressuscitado, para que venha sobre todos nós a força necessária, a fim de que continuemos querendo viver e não ter medo da morte, pois ela não pode, de forma alguma, acabar com a nossa sede infinita de viver. Deste modo, em todas as circunstâncias da vida, precisamos “ver” e “crer”, dizendo para nós mesmos e para os outros: “eu quero viver”!

Lembro-me vivamente de um funeral que acompanhei anos atrás até a sepultura. E, no momento de depositar o caixão com o corpo do falecido na sepultura, alguém gritava: “eu também quero ser enterrado junto. Eu também quero morrer”. Foi uma cena forte. Claro que esta pessoa gritou tudo isso em um momento de profunda dor e luto pela perda do seu ente querido. Mas, esta lembrança me fez pensar que diante da morte de alguém que amamos, nunca devemos querer a morte. Pelo contrário, aí é que precisamos querer viver ainda mais por nós e pela pessoa que partiu.

Enfim, é Páscoa! É vitória da vida sobre a morte! Que esta Páscoa nos mergulhe no amor infinito de Deus e, tocados pela força do Amor e da Vida, nos tornemos cada vez mais protagonistas da globalização da cultura da vida! Coragem! Vamos “ver” a realidade de uma outra perspectiva e “crer” que, por mais nublados que sejam os nossos dias, nunca podemos desistir de amar a vida e torná-la melhor para nós mesmos e para os outros. Pois cremos firmemente que somos “ressuscitados pela fé”! Uma santa e feliz Páscoa para todos!

 

Publicado no Jornal de Jundiaí em 01.04.2021.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Rolar para cima