15 de abril de 2024

Jundiaí /SP

Pias Discípulas do Divino Mestre celebram centenário de fundação

DAMOS GRAÇAS AO PAI 

POR SUA FIDELIDADE 

EM NOSSA VIDA E MISSÃO, 

NESTES 100 ANOS, NAS PEGADAS DE JESUS, 

COMO AS MULHERES DO EVANGELHO.

No dia em que a Igreja celebrou a memória litúrgica de Santa Escolástica, em 10 de fevereiro, a Congregação das Irmãs Pias Discípulas do Divino Mestre comemorou o seu centenário de fundação. O dia foi de festa e alegria em todas as comunidades das Pias Discípulas, espalhadas em 27 países, nos cinco continentes. 

No Brasil, a Diocese de Campo Limpo (SP) foi escolhida para a celebração eucarística, na Catedral Santuário Sagrada Família, por ser a sede da Província. Presidiu a missa o Bispo Diocesano, Dom Valdir José de Castro, SSP. Concelebrou Dom Arnaldo Carvalheiro Neto, Bispo Diocesano de Jundiaí, que também acolhe uma comunidade numerosa, na Paróquia Jesus Nazaré, em Cabreúva (SP). Além dos bispos, participaram membros da Família Paulina: Paulinos, Filhas de São Paulo, Pastorinhas, Apostolinas e Cooperadores Paulinos; e outros amigos e amigas na missão.

Jubileu de 50 e 60 anos de Vida Consagrada:  Sinal concreto desta fidelidade de Deus 

Na mesma celebração dos 100 anos, também foram comemorados o jubileu de 50 anos de vida religiosa das irmãs Maria Luciana [Clara] Tonon, Maria Luzia Frigeri, Marinez Cantelli, Maria da Glória Thomaz, Maria da Penha Carpanedo, Maria Oliva Sfredo, que atualmente mora na Comunidade Divino Mestre, em Cabreúva (SP); Maria Ozília Ardisson, Maria Pierangela [Ilida] Dalla Riva, e Terezinha Lubiana. As Irmãs Maria Inez Morigi e Marcela Fabian são brasileiras e fazem parte do grupo das jubilandas de 50 anos de vida religiosa, mas são missionárias na Itália. E 60 anos de vida religiosa das Irmãs Marcelina [Genita] Callegari e Maria Tecla [Laci] Marqueti, ambas residentes na Comunidade Divino Mestre, em Cabreúva (SP).

Breve histórico

A Congregação das Irmãs Pias Discípulas do Divino Mestre, fundadas pelo Pe. Tiago Alberione, em Alba, na Itália, aos 10 dias do mês de fevereiro de 1924, é a terceira fundação que compõe a Família Paulina. O nome, Pias Discípulas do Divino Mestre, sinaliza a sua identidade carismática, centrada em Jesus Cristo Mestre, Caminho, Verdade e Vida.

O dia 10 de fevereiro é marcante para a congregação, pois foi neste dia que o Pe. Alberione escolheu Úrsula e Metilde, duas jovens do grupo das Filhas de São Paulo, para o início da nova fundação. No dia 25 de março do mesmo ano, Festa da Anunciação do Senhor, este grupo era formado por oito jovens. Neste dia também, as jovens fizeram a sua manifestação oficial com o hábito religioso e a profissão dos votos.

As irmãs receberam um nome novo e Úrsula torna-se irmã Escolástica da Divina Providência. Por sua vez, irmã Escolástica inicia aquele que será o seu trabalho principal: a Adoração Eucarística e o viver como irmã e mãe ao lado dos sacerdotes e Discípulos da Sociedade São Paulo.

Desde este tempo, Madre Escolástica Rivata passa a ser a colaboradora em Cristo com Padre Alberione, para a realização do carisma das Pias Discípulas do Divino Mestre. Com vinte e oito anos é a responsável pela nova família que surge e, a partir deste momento, pode-se ler a história de Escolástica somente seguindo passo a passo o caminho das Pias Discípulas.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Rolar para cima