O mal da Pornografia (2): Os alarmantes números

O número de pessoas viciados em pornografia é cada vez mais preocupante. Superando o número de viciados no “crack” e na heroína, a adição à pornografia na Internet surge no mundo moderno como uma nova forma de vício, com resultados mais devastadores do que os provocados por essas drogas tradicionais. O acesso a este tipo de conteúdo é facilitado através dos celulares e dos canais como sites, links, trocas de imagens de desconhecidos ou pessoais, emails, etc. Eis alguns números alarmantes (Fonte: https://theweek.com/articles/493433/internet-porn-epidemic-by-numbers):

– 12% dos sites na internet são pornográficos;

– A todo segundo são gastos $3.075,64 com pornografia e 28,258 usuários por segundo de internet estão assistindo vídeos pornográficos;

– A indústria pornográfica movimenta, no mundo, US$ 97 bilhões todos os anos. A pornografia, apenas nos Estados Unidos, é responsável por quase 13% desse montante;

– 2.5 bilhões de e-mails enviados por dia, no mundo todo, possuem conteúdo pornográfico. São 8% de todos os e-mails;

– 25% das pesquisas feitas na internet estão relacionadas a pornografia. São 68 milhões por dia;

– 35% dos downloads são pornográficos;

– 266 novos sites pornográficos surgem todos os dias na internet;

– São feitas 116 mil pesquisas sobre “pornografia infantil” por dia;

– No Brasil, há 22 milhões de pessoas que assumem consumir pornografia. 76% são homens e 24% são mulheres;

– 11 anos é a idade média em que uma criança vê pornografia online pela primeira vez.

Em um estudo desenvolvido em 2014 pelo Instituto Max Planck da Alemanha, pesquisadores isolaram e analisaram as imagens dos cérebros de usuários de pornografia que ainda não eram viciados. Neste estudo, os especialistas descobriram que os indivíduos que usaram mais pornografia, mesmo não sendo viciados, tiveram uma diminuição significativa da massa cinzenta do cérebro e mostraram menos excitação para imagens sexuais. Note que essas pessoas ainda nem eram viciadas em pornografia e a simples exposição ao material pornográfico já originou esses efeitos (Fonte: https://jamanetwork.com/journals/jamapsychiatry/fullarticle/1874574).

Um famoso exemplo de um viciado em pornografia é do ator Terry Crews – que ficou famoso interpretando papéis conhecidos, como Julius (Todo Mundo Odeia o Chris) – que publicamente assumiu isso em um vídeo, na sua conta de Facebook, intitulado Dirty Little Secret (Segredinho Sujo): “Por anos e anos, o meu segredinho sujo foi que eu era viciado em pornografia (…) A pornografia bagunçou demais a minha vida, de várias formas. E sabem, isso se tornou um problema que eu não contava para ninguém, era o meu segredo, ninguém sabia e isso permitiu que ele crescesse e ficasse insuportável (…) As pessoas pensam ‘Não é possível ser viciado em pornografia, não tem como…’ Mas eu vou te dizer uma coisa: Se o dia vira noite e você ainda está assistindo, você provavelmente tem um problema”. A decisão de lutar contra o vício veio quando o ator percebeu que perderia sua família, a partir disso, ele decidiu buscar ajuda, e foi literalmente para a reabilitação.

Próximo texto veremos como age a pornografia em nosso cérebro.

Pe. Enéas de Camargo Bête

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *