23 de julho de 2021

Jundiaí /SP

Espiritualidade e Literatura (6): Os Irmãos Karamázov, a liberdade e Santo Agostinho

“Os Irmãos Karamázov” é o último romance publicado de Dostoiévski (1879) e é um livro ao mesmo tempo filosófico e policial, que trata da conturbada relação entre o devasso Fiódor Karamázov e seus três filhos: Aliócha, “puro” e místico; Ivan, intelectual e atormentado; e Dmitri, orgulhoso e apaixonado.

Dentro da obra há o capítulo universalmente conhecido como “O Grande Inquisidor”. Nesse conto, narrado pelo personagem Ivan, ateu e liberal, a seu irmão Aliócha, monge e muito religioso, a história se passa na época da Inquisição, na cidade de Sevilha, Espanha, local onde Jesus retorna e opera curas e milagres. Ao perceber o tumulto causado por Cristo, um velho cardeal de noventa anos, o Grande Inquisidor, manda prendê-lo por heresia. Segundo o Grande Inquisidor, Jesus é acusado por ter proporcionado liberdade aos seres humanos que são vistos como miseráveis e incapazes de lidar com esta responsabilidade. Além de ser uma crítica ao clericalismo, acredito que a questão primacial do conto parece ser esta: para quê ser livre num mundo destituído de sentido, cruel e palco de um perpétuo e absurdo sofrimento? Para que escolher se qualquer escolha se dilui num vórtice de desespero? A liberdade não seria um dom, mas um fardo doloroso (essa é a mesma ideia dos filósofos existencialistas, de modo especial Sartre: “estou condenado a ser livre”. O Ser e o Nada, p.543). A liberdade seria, portanto, a causa de toda desordem.

O grande inquisidor parece esquecer do que escreveu São Paulo: “É para a liberdade que Cristo nos libertou” (Gl 5,1). Mas, de que liberdade Paulo estaria falando? A liberdade no cristianismo significa que não existe princípios morais a serem observados? Ou, pelo contrário, aonde exista uma moralidade cristã, não há espaço para a liberdade? Claro que não é isso, e Paulo bem o sabia. Ele percebia que no interior do coração humano havia uma tensão, uma dualidade, uma oposição entre carne e espírito (cf. Rm 7,19) que a somente observância da lei não era capaz de libertar. Mais ainda: que a liberdade diante da lei não deveria ser pretexto para uma vida cristã amoral, onde tudo passa a ser permitido. Pensar assim seria estar “amarrado” a uma lei interior da carne e não da graça. Portanto, ser livre não é “fazer tudo o que eu quero”. Muitas vezes isto é loucura. A verdadeira liberdade é escolher o Bem; é escolher Deus.

Santo Agostinho, de modoespecial em sua obra “O livre-arbítrio”, ensina que a liberdade é a capacidadede fazer o que é certo e justo, porque o liberto é obediente a Deus, e temprazer nisso, ou seja, é feliz. Em contrapartida, o “livre arbítrio” é apossibilidade de escolher o bem ou o mal. Por isso, o pecador não é livre defato, embora goze do livre-arbítrio. Nessa mesma toada o Catecismo da IgrejaCatólica define que “a liberdade é o poder, baseado na razão e na vontade, deagir ou não agir, de fazer isto ou aquilo, portanto, de praticar atosdeliberados. Pelo livre-arbítrio, cada qual dispõe sobre si mesmo. A liberdadeé, no homem, uma força de crescimento e amadurecimento na verdade e na bondade.A liberdade alcança sua perfeição quando está ordenada para Deus, nossabem-aventurança” (n. 1731). O grande inquisidor imputou os males do mundo naliberdade dada ao homem por Cristo, e, por isso, o condenou. No entanto, não éa liberdade a causa do mal, pelo contrário, a verdadeira liberdade nos aproximade Deus. É a liberdade do amor, liberdade de filhos de Deus (cf. Rm6,20-23). O “uso” inapropriado da liberdade é que causa o mal: “Deus me crioulivre: se tenho pecado, fui eu que pequei” (Santo Agostinho. Comentários aosSalmos, 31, 2, 16).

Pe. Enéas de Camargo Bête

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

CÚRIA DIOCESANA
DE JUNDIAÍ

Rolar para cima