30 de outubro de 2020

Jundiaí /SP

Comunicado da Diocese de Jundiaí sobre a Ação Solidária Emergencial da Igreja no Brasil e Cáritas Brasileira para enfrentar a Pandemia de Coronavírus

COMUNICADO DA DIOCESE DE JUNDIAÍ SOBRE A AÇÃO SOLIDÁRIA EMERGENCIAL DA IGREJA NO BRASIL E CÁRITAS BRASILEIRA PARA ENFRENTAR A PANDEMINA DE CORONAVÍRUS

“Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10, 33-34).

 

         Queridos Padres, Diáconos Permanentes e Agentes de Pastoral:

As restrições com medidas de distanciamento social, embora extremamente necessárias para a contenção da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) geraram efeitos sociais graves e nos levam a renovar a esperança e amorosidade às pessoas que sofrem as consequências sociais desta pandemia.

Diante deste cenário, a Igreja do Brasil convoca todas as pessoas de bom coração, especialmente, suas comunidades eclesiais, para uma Ação Solidária Emergencial que promova gestos concretos de ajuda às famílias e pessoas em situação de vulnerabilidade diante da pandemia de coronavírus.

O enfoque desta Ação Solidária Emergencial tem como tema: “É tempo de cuidar”, impulsionados pelo lema da Campanha da Fraternidade de 2020: “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10, 33-34), que nos motiva a ver o outro em suas necessidades, suas fragilidades e vulnerabilidades, considerando a dignidade humana em primeiro lugar.

Para isso, é importante o nosso envolvimento e olhar solidário, com ações criativas, mobilizando a comunidade paroquial, envolvendo de maneira cuidadosa para não expor ao contágio do coronavírus as pessoas que querem ajudar, nem as pessoas que estão precisando de ajuda.

Lembremos sempre, ao organizar uma Ação Solidária Emergencial, na prevenção da propagação do coronavírus, devendo preparar todas as etapas da Campanha de forma a manter as orientações sanitárias, os cuidados com aglomerações e os voluntários em grupos de risco, distanciamento entre as pessoas, e principalmente, o uso de máscara, higiene do local e a lavagem das mãos.

         1ª – A primeira etapa é identificar as necessidades da comunidade, particularmente das famílias, grupos específicos, pessoas em situação de rua, ou ainda, as necessidades das entidades beneficentes da nossa Diocese.

Para fazer essa identificação, a Paróquia pode dialogar com os agentes de pastorais sociais, o grupo dos Vicentinos, ou ainda, buscar informações junto à Cáritas Diocesana, Cáritas Paroquiais e as entidades beneficentes, que podem nos ajudar a identificar os mais vulneráveis e quais as necessidades mais urgentes que precisam ser supridas. Para esse contato não se faz necessário sair de casa, pois os contatos podem ser realizados por meios virtuais. No site da Diocese encontram-se os contatos das várias pastorais, entidades e organismos da Igreja.

A realidade de comunidades vizinhas também pode ser considerada para a definição da realização de uma ação solidária.

         2ª − A segunda etapa é avaliar quais as estratégias que a Paróquia pode assumir, quais os envolvidos, como organizar as ações, utilizando os meios de comunicação virtual e a operacionalização com criatividade como já temos visto (por exemplo: compras on line, entregas delivery, etc.), envolvendo pequeno número de pessoas, e motivando jovens a participar, pois estes têm a expertise nos meios virtuais.

Neste trabalho, é importante pedir a autorização e o assessoramento das autoridades sanitárias do Município. Nada se pode fazer sem este recurso. Portanto, é preciso verificar todas as condições para o menor risco possível de contaminação das pessoas que irão doar, das equipes que trabalharão na preparação e distribuição, e das famílias que receberão a ajuda.

3ª − A terceira etapa é a mobilização e motivação da Ação Solidária. Para isso existem inúmeros meios de comunicação, nas transmissões nas redes sociais durante as celebrações das Missas, orações de terços, Celebração da Palavra. Cabe ao Pároco convocar e orientar seus fiéis sobre a Ação Solidária Emergencial.

4ª − A quarta etapa é estabelecer um período para a arrecadação ou mobilização de recursos considerando os cuidados na organização da arrecadação. A Cáritas Brasileira elaborou um “Plano de Contingências” para prevenção da pandemia do coronavírus, podendo fazer o acesso no site da Cáritas Brasileira – www.caritas.org.br .

5ª − A quinta etapa é a preparação e organização das doações de forma a identificar os itens que foram coletados, evitando manuseio desnecessário; preparando kits para entrega e higienizar as embalagens antes da entrega.

Sempre disponibilizem material de proteção individual e de limpeza ou desinfetante para as equipes limparem superfícies, móveis, equipamentos, materiais, etc.; usar máscaras e luvas descartáveis.

6ª − A sexta etapa é entrega. Quando possível, fazer as entregas em domicílio ou com agendamento de horários para retirada para evitar aglomerações. Mais uma vez é importante  considerar os cuidados de prevenção do Covid-19, o uso de máscaras, luvas e ter álcool gel para limpeza das bancadas, móveis, equipamentos, etc.

7ª – A sétima e última etapa é registrar e documentar com fotos as Ações Solidárias realizadas e informar a PASCOM da Paróquia, enviar notícias para o Setor de Comunicação da Diocese e para outros meios de comunicação e redes sociais.

As ações realizadas na Diocese de Jundiaí serão registradas pelo Setor de Comunicação da Diocese na Campanha Nacional: “É tempo de cuidar” da CNBB e da Cáritas, apresentando os resultados obtidos nacionalmente. Desta forma daremos visibilidade e ampliamos a rede de solidariedade.

Orientações e informações podem ser obtidas através da Cáritas Diocesana de Jundiaí, pelo e-mail: [email protected]

Lembremos sempre é tempo de cuidar.

 “A fé que não se traduz em ações, por si está morta” (Tg 1,17)

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Rolar para cima