11 de abril de 2021

Jundiaí /SP

Certeza, sim! Dúvida, não!

“Se és o Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem pães!” (Mt 4,3).

 Queridos leitores e leitoras: uma coisa é certa. O nosso coração fica muito em paz, quando temos a clareza de que estamos no caminho correto. Mesmo quando no percurso nos deparamos com surpresas e provações que exigem de nós esforço, empenho e perseverança para que cheguemos ao lugar desejado, quando caminhamos com certeza, encontramos mais força diante das provações que sempre surgem. A certeza nos dá segurança, inspiração e nos capacita a enfrentarmos o que for preciso. Já a dúvida tem um movimento contrário, pois nos leva à insegurança e ao desânimo.

Na Sagrada Escritura encontra-se uma passagem que pode ilustrar bem este tema. Diz o Evangelho que Jesus vai para o deserto, onde se dispõe a orar e jejuar durante quarenta dias e quarenta noites (cf. Mt 4,1-11). No final deste período Jesus sente fome e, na sua “fragilidade”, vem a tentação. O Diabo propõe que Ele transforme pedras em pães. Há um detalhe que pode ser uma chave de leitura muito importante e de compreensão para nós. O Diabo poderia ter dito assim: “Jesus, já que és o Filho de Deus, transforma estas pedras em pães”. Mas ele não diz isso. Ele começa o diálogo lançando uma dúvida: “Se és o Filho de Deus…”. Este “se és…”, é uma expressão de dúvida. Aliás, o Evangelho também diz que o diabo é “pai da mentira” (Jo 8,44). E é mesmo, mas também o pai da dúvida, pois, todas as vezes que o mal consegue êxito em espalhar a dúvida, consegue também perturbar e colocar em conflito as nossas vidas.

É muito interessante que Jesus, em todas as suas falas, não deixa margem para a dúvida. Jesus não diz: “Talvez eu seja o caminho, a verdade e a vida”. Jesus afirma com todas as letras: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida” (Jo 14,6); “Eu sou a luz do mundo” (Jo 8,12); “Eu sou a videira” (Jo 15,5); “Eu sou o Bom Pastor” (Jo 10,11); “Eu sou a ressurreição e a vida” (Jo 11,25). Estas declarações, ditas com autoridade e certeza, vêm atraindo corações e vidas há dois mil anos de história. A verdade é que nós nos sentimos muito bem quando ouvimos e seguimos aqueles que falam abertamente e com clareza sobre sua identidade, seus projetos e suas intenções, mesmo quando não é algo fácil de ouvir, como por exemplo, quando Jesus diz: “Essa palavra é dura. Quem consegue escutá-la?” (Jo 6,60). É uma palavra profundamente intrigante e provocadora, mas Jesus não se omite, pois fala “como quem tem autoridade” (Mc 1,22). Ele não diz meias palavras e nem fala de um modo duvidoso.

Enfim, mais do que nunca, nos tempos difíceis em que vivemos, precisamos de famílias e de líderes em nossa sociedade que tenham grandeza de alma, perspicácia, entendimento, conhecimento, ousadia e coragem para colaborarem com uma verdadeira transformação do mundo no seu modo de viver e de agir, para que todas as gerações transformem este slogan em um projeto de vida: “Certeza, sim. Dúvida, não”!

Publicado no Jornal de Jundiaí em 15.03.2020.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Rolar para cima