24 de fevereiro de 2024

Jundiaí /SP

Celebração Ecumênica abre Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos na Diocese

Dom Vicente Costa, Bispo Diocesano, e os padres Antônio Ferreira da Silva ( Pe. Ton), assessor eclesiástico do Encontro das Igrejas Cristãs e Conselho dos Pastores de Jundiaí: (Católica e CONPAS); Leandro Megeto, coordenador diocesano da Ação Evangelizadora, participaram da Celebração Ecumênica de Abertura da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos.

O Ato ecumênico aconteceu na Biblioteca Pública Municipal ” Professor Nelson Foot”, no Complexo Argos, em Jundiaí, e reuniu as presenças de representantes de outras Igrejas Cristãs e Conselho de Pastores de Jundiaí
(CONPAS).

Especialmente para este tempo, todos somos incentivados a rezar e compartilhar experiências de fé e os carismas de nossas Igrejas, aprender a ter empatia e fortalecer os vínculos com nossos irmãos e irmãs de outras Igrejas.

A inspiração bíblica para a edição 2022 é a frase atribuída aos magos, em Mt 2,2: “Vimos o seu astro no Oriente e viemos prestar-lhe homenagem”.

Lembremos que o contexto no qual Jesus nasceu era de conflitos provocados pela presença do Império Romano na região que, hoje, conhecemos como Oriente Médio. A forma do Império manter o controle na região era através de um rei, geralmente uma pessoa com expressividade política e legitimidade junto às elites locais. O papel deste rei não era o de garantir justiça e paz às pessoas, mas o de zelar pelos interesses romanos na região. Como em quase todos os contextos dominados por poderes imperiais, no período do nascimento de Jesus o Império Romano impunha a paz com muita repressão e cobrança de altos impostos, que impactavam em especial na vida das pessoas mais pobres.

Havia grande descontentamento junto à população. Alguns grupos se organizaram com o objetivo de se manifestarem contrários à exploração e à violência.

Desde o tempo dos profetas, o nascimento de um novo rei judeu, libertador, era anunciado, conforme Is 9.6-7. A população empobrecida tinha muita esperança de que esta profecia seria cumprida e, por fim, poderia viver em paz. Herodes temia a realização da profecia. Seu medo era o de perder o poder. Por isso, ele mandou assassinar todos os meninos recém-nascidos a fim de evitar o nascimento de alguém que ameaçasse o seu reinado.

Os magos do Oriente conheciam as profecias que anunciavam o nascimento de um Messias. E foi assim que, ao avistarem uma estrela luminosa no céu, seus corações encheram-se de esperança. Eles compreenderam que este astro anunciava algo grandioso, capaz de transformar a situação de abandono e desanimo vivido pelas pessoas.

A estrela que iluminou o caminho dos magos e os conduziu até a manjedoura em Belém é a confirmação do cumprimento da promessa de Deus. Um novo tempo iniciou. A criança recém-nascida foi protegida da tirania de Herodes. Era possível sentir esperança novamente, e reafirmar que a violência não teria a última palavra.

Neste momento em que finalizamos a adaptação do material da SOUC, edição 2022, acompanhamos os desdobramentos da guerra entre Rússia e Ucrânia, cujas consequências ainda não conhecemos. Experiências de guerras anteriores, como as do Vietnã, Congo, Angola, Irã, Iraque, Líbano, Síria, entre outras, nos ensinaram que quem sofre as consequências é a população civil. São as pessoas comuns que veem seus filhos, filhas, pais, mães, avós e avôs morrerem, suas casas sendo destruídas e, quando sobrevivem, muitas são obrigadas a buscar refúgio em terras estrangeiras.

Tão impactante e destrutivos quanto os confrontos armados são os bloqueios econômicos impostos a países. O Afeganistão, neste momento, é um dos países afetados por um bloqueio econômico que faz com que 90% da sua população enfrente grave insegurança alimentar.

Pessoas cristãs e de diferentes tradições religiosas são afetadas por estes conflitos violentos. Muitas comunidades são destruídas. É por isso que a essência das mensagens das tradições de fé é sempre a paz entre todos povos e nações. A violência, seja ela qual for, sempre será um contratestemunho da fé.

A estrela do Oriente, neste ano de 2022, nos convida a sermos tão confiantes quanto os magos. Que não tenhamos medo e nem duvidemos que a paz com justiça é possível.

Fonte: https://www.conic.org.br/

Oração Oficial da Semana de Oração pela Unidade Cristã (SOUC 2022)

Dirigimo-nos a Ti, como filhos e filhas, pois… “Vimos a sua estrela e viemos prestar-lhe homenagem” (Mt 2,2).
Guia-nos como guiaste os magos que, vendo a estrela, seguiram-na pelo caminho.
Ilumina nosso caminho com este astro que é dom, realização de tua amorosa presença para toda humanidade, mediante a nova luz que é Jesus.
 Fortalece e abre nossos corações para o encontro com as diferentes culturas, tradições, religiosidades, etnias, línguas e sonhos. Queremos ser pequenas pontes de unidade e amorosidade, partilhando os tesouros que, gratuitamente, nos deste. Queremos caminhar juntos e juntas com todos os povos da Terra. 
Enquanto fazemos caminho ao caminhar, ensina-nos a viver a cultura do encontro, nos despojando para experiências mais profundas da cultura da paz. Que os presentes entregues pelos magos a Jesus simbolizem para nós: O ouro – sinal de que o rosto do irmão e da irmã é o fundamento ético para a acolhida; O incenso – sinal de que a melhor forma de te louvar é nos comprometermos com a superação de todas as formas de violência; A mirra – perfume valioso que nos envolve e nos desafia a sermos responsáveis pelo cuidado com a Criação. 
Bom Deus! Que a Epifania ocorrida em Belém faça de nós testemunhas da unidade e da paz.
 Deus, revelado em Jesus Cristo e presente pela ação transformadora do Espírito Santo, que a Tua ternura seja para toda a humanidade, do Norte e do Sul, do Leste e do Oeste, e que ela faça morada em nossos corações. 
 É o que te pedimos em nome de Teu Filho, Jesus Cristo, e do Espírito Santo, amém!

Semana de Oração pela Unidade Cristã

 

Promovida mundialmente pelo Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos e pelo Conselho Mundial de Igrejas, a Semana de Oração pela Unidade Cristã (SOUC) acontece em períodos diferentes nos dois hemisférios.
No hemisfério Norte, o período tradicional para a Semana de Oração pela Unidade Cristã (SOUC) é de 18 a 25 de janeiro. Essas datas foram propostas em 1908, por Paul Watson, pois cobriam o tempo entre as festas de São Pedro e São Paulo, e tinham, portanto, um significado simbólico.
No hemisfério Sul, por sua vez, as Igrejas geralmente celebram a Semana de Oração no período de Pentecostes (como foi sugerido pelo movimento Fé e Ordem, em 1926), que também é um momento simbólico para a unidade da Igreja. No Brasil, o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC) lidera e coordena as iniciativas para a celebração da Semana em diversos estados.
Levando em conta essa flexibilidade no que diz respeito à data, estimulamos a todos os cristãos, ao longo do ano, a expressar o grau de comunhão que as Igrejas já atingiram e a orar juntos por uma unidade cada vez mais plena, que é desejo do próprio Cristo (Jo 17:21).
Fotos: Tiago Bueno

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Rolar para cima