As famílias cristãs são lugares de misericórdia e testemunhas de misericórdia

Confira a íntegra da carta do Papa Francisco para o 9º Encontro Mundial das Famílias, com o tema:
“O Evangelho da família: alegria para o mundo”, que acontece em Dublin, na Irlanda.

“No final do 8º Encontro Mundial das Famílias, realizado em Filadélfia em setembro de 2015, eu anunciei que a sucessiva reunião com as famílias católicas do mundo inteiro teria lugar em Dublin. Agora, com o desejo de dar início à sua preparação, sinto-me feliz por confirmar que ela será realizada de 22 a 26 de agosto de 2018, sobre o tema: “O Evangelho da Família: alegria para o mundo”… Com efeito, desejo que as famílias tenham a possibilidade de aprofundar a sua reflexão e a sua partilha sobre o conteúdo da Exortação Apostólica pós-sinodal Amoris laetitia.

Seria possível questionar-se: o Evangelho continua a ser alegria para o mundo? E mais ainda: a família continua a ser uma boa notícia para o mundo de hoje?

Estou convicto que sim! E este “sim” encontra-se firmemente fundado no desígnio de Deus. O amor de Deus é o seu “sim” à criação inteira e ao seu âmago, que é o homem. Trata-se do “sim” de Deus à união entre o homem e a mulher, em abertura e ao serviço da vida em todas as suas fases; é o “sim” e o compromisso de Deus a favor de uma humanidade muitas vezes ferida, maltratada e dominada pela falta de amor. Por conseguinte, a família é o “sim” do Deus Amor. Somente a partir do amor a família pode manifestar, propagar e regenerar o amor de Deus no mundo. Sem o amor não podemos viver como filhos de Deus, nem como cônjuges, pais e irmãos.

Desejo pôr em evidência como é importante que as famílias se interroguem frequentemente se vivem a partir do amor, para o amor e no amor. Concretamente, isto significa doar-se, perdoar-se, não perder a paciência, antecipar o outro, respeitar-se. Como seria melhor a vida familiar, se cada dia vivêssemos as três simples palavras: “com licença”, “obrigado” e “desculpa”. Todos os dias nós vivemos a experiência da fragilidade e da debilidade, e por este motivo todos nós, famílias e pastores, temos necessidade de uma humildade renovada que plasme o desejo de nos formarmos, de nos educarmos e de sermos educados, de ajudarmos e de sermos ajudados, de acompanharmos, discernirmos e integrarmos todos os homens de boa vontade. Sonho uma Igreja em saída, não autorreferencial, uma Igreja que não passe distante das feridas do homem, uma Igreja misericordiosa que anuncie o coração da revelação de Deus Amor, que é a misericórdia. É esta mesma misericórdia que nos renova no amor; e sabemos que as famílias cristãs são lugares de misericórdia e testemunhas de misericórdia; depois do Jubileu extraordinário elas sê-lo-ão ainda mais, e o Encontro de Dublin poderá oferecer sinais concretos disto.

Por conseguinte, eu convido a Igreja inteira a ter presentes estas indicações na sua preparação pastoral em vista do próximo Encontro Mundial.

Para tanto, apresenta-se a tarefa de promover de maneira particular o ensinamento contido na Amoris laetitia, com a qual a Igreja deseja que as famílias estejam sempre a caminho, naquele peregrinar interior que constitui uma manifestação de vida autêntica.

Dirijo o meu pensamento de forma especial à Arquidiocese de Dublin, bem como a toda a amada Nação irlandesa, pelo generoso acolhimento e pelo compromisso que exige a organização de um acontecimento de tal importância. Que o Senhor vos recompense desde já, concedendo-vos abundantes favores celestiais.

A Sagrada Família de Nazaré oriente, acompanhe e abençoe o vosso serviço e todas as famílias comprometidas na preparação do grandioso Encontro Mundial de Dublin”.

Papa Francisco

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *