22 de outubro de 2020

Jundiaí /SP

A Teologia do Corpo (VI): A Redenção do Coração

“Caros amigos, o segundo ciclo de catequeses do Papa São João Paulo II sobre a Teologia do Corpo se concentra em aprofundar a redenção do coração humano. Nessas catequeses o papa apresenta a nossa humanidade como a conhecemos e vivemos hoje: Homem e mulher foram criados à imagem e semelhança de Deus, que é Amor. O corpo do homem e da mulher são uma imagem de Deus e um chamado à doarem-se um ao outro no Amor. Contudo, o pecado original debilitou a afetividade humana. Com a sua redenção, Cristo restaura e eleva as forças humanas para a vivência plena e purificada de nossa corporeidade, afetividade e sexualidade.

Este é o ciclo mais longo de catequeses e o texto bíblico principal desta etapa é Mt 5,27-28. Nele Jesus afirma: “Ouvistes que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério. Eu, porém, vos digo: todo aquele que lançar um olhar de cobiça para uma mulher, já adulterou com ela em seu coração.”

O desejo a que Jesus se refere na passagem acima do evangelista Mateus é o desejo desvirtuado, que reduz a pessoa a um mero objeto de prazer. Nas palavras de São João Paulo II: “O ‘coração’ humano experimenta o grau desta limitação ou deformação, sobretudo no âmbito das relações recíprocas homem-mulher. Precisamente na experiência do ‘coração’, a feminilidade e a masculinidade parecem já não ser a expressão do espírito que tende para a comunhão pessoal, e se tornam só objeto de atração…” (Teologia do Corpo, 23 de Julho de 1980).

A Teologia do Corpo explica que o “coração” engloba toda a dimensão da nossa humanidade como a fonte e a força motriz das nossas intenções e ações. Cristo alerta que, mesmo que não haja ato efetivo, o desejo libidinoso, o desejo de luxúria que quer usar o outro como um objeto já é altamente pernicioso.

Isso significa que devemos ignorar ou reprimir os desejos como se fossem maus? Não. Isso significa que podemos (e devemos) educá-los e, para tanto, Cristo apela para o homem interior, para o seu coração. Assim, as palavras de Cristo convidam a uma nova ética, que não é apenas um verniz, mas atinge o amago do coração humano, trazendo assim a força da Redenção autêntica de Jesus: “A redenção é uma verdade, uma realidade, em cujo nome o homem deve sentir-se chamado, e chamado com eficácia. Deve dar-se conta de tal chamada até mediante as palavras de Cristo segundo Mateus 5,27-28, relidas no pleno contexto da revelação do corpo. O homem deve sentir-se chamado a redescobrir, mais, a realizar o significado esponsal do corpo e a exprimir de tal modo a liberdade interior do dom, isto é, daquele estado e daquela força espiritual, que derivam do domínio da concupiscência da carne.(…) É importante que ele, precisamente no seu “coração”, não se sinta só acusado e entregue como presa à concupiscência da carne, mas que no mesmo coração se sinta chamado com energia. Chamado precisamente àquele supremo valor que é o amor. Chamado como pessoa na verdade da sua humanidade, portanto também na verdade da sua masculinidade e feminilidade, na verdade do seu corpo. Chamado naquela verdade que é patrimônio “do princípio”, patrimônio do seu coração, mais profundo que a pecaminosidade herdada, mais profundo que a tríplice concupiscência. As palavras de Cristo, enquadradas na inteira realidade da criação e da redenção, reatualizam aquela herança mais profunda e dão-lhe real força na vida do homem” (Teologia do Corpo, 29 de Outubro de 1980).

Pe. Enéas de Camargo Bête

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Rolar para cima