A 34ª Jornada Mundial da Juventude 2019

“Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38).

Prezados irmãos e irmãs da Igreja de Deus que se faz presente na Diocese de Jundiaí:

Nos últimos dias 23 a 27 de janeiro, celebrou-se a 34ª Jornada Mundial da Juventude (JMJ) na cidade do Panamá, com a presença do Papa Francisco, cerca de 380 Bispos (mais de 30 do Brasil), Presbíteros, religiosos(as), seminaristas e milhares de jovens provenientes de todas as partes do mundo: eram mais de 156 os países representados. Calcula-se que aproximadamente 5.900 jovens do Brasil estiveram presentes neste evento mundial. Da nossa Diocese, além do Bispo Diocesano, participaram desta JMJ dois presbíteros e cerca de 500 leigos(as), na maioria jovens, provenientes de vinte e seis Paróquias.Além disto, os quase 22.445 voluntários deram o melhor de suas vidas para o pleno êxito da JMJ, sendo que 2.445 deles provinham de outros países além do Panamá, inclusive três da nossa Diocese.

“Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra” foi o tema que o Papa Francisco escolheu para esta JMJ de 2019. Depois da 28ª JMJ no Rio de Janeiro (23 a 28/07/2013), tendo como tema: “Ide e fazei discípulos entre todas as nações” (Mt 28,19), a Igreja começou a escolher temas muito interligados para o itinerário de três anos das Jornadas da Juventude. Assim, nos anos 2014 a 2016, os temas eram centrados na mensagem das Bem-Aventuranças (cf. Mt 5,3-12), da seguinte maneira: ano de 2014: “Felizes os pobres em espírito, porque deles é o Reino dos Céus” (Mt 5,3); o ano de 2015: “Felizes os puros de coração, porque verão a Deus” (Mt 5,8), sendo que estas duas Jornadas foram celebradas em nível das Dioceses espalhadas pelo mundo inteiro. A última e terceira edição deste itinerário culminou na celebração da 31ª JMJ, celebrada na cidade de Cracóvia, Polônia (26-31/97/2016), com o tema de outra Bem-Aventurança: “Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia” (Mt 5,7).

Seguindo o mesmo esquema, para os anos 2017 a 2019, foram escolhidos três temas das Jornadas tiradas da passagem evangélica do anúncio do nascimento de Jesus a Maria pelo anjo Gabriel (cf. Lc 1,26-39) e do cântico do Magnificat que Maria entoou na visita a sua prima Isabel (cf. Lc 1,39-55). Então, eis os temas que foram escolhidos: ano de 2017: “O Todo-Poderoso fez em mim maravilhas” (Lc 1,49); ano de 2018: “Não temas, Maria, porque encontraste graça diante de Deus” (Lc 1,30), sendo que estas eram também duas Jornadas Diocesanas, terminando com a 34ª JMJ, com o tema: “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38), ora celebrado no Panamá.

Portanto, estas últimas três Jornadas da Juventude têm uma forte conotação mariana, olhando para Maria como modelo da perfeita discípula missionária do Pai e, ao mesmo tempo, apresentando a imagem de uma juventude em caminho entre o passado (2017), o presente (2018) e o futuro (2019), ou seja, os jovens chamados a viver as três virtudes teologais: fé, caridade e esperança.

Queridos irmãos diocesanos, além desta forte acentuação mariana, a JMJ do Panamá teve também um tema vocacional. Como o próprio tema sugere (“Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra”), a exemplo de Maria que foi chamada por Deus para assumir um grande projeto, isto é, o de gerar no seu coração e no seu puríssimo ventre o Verbo Encarnado, os jovens participantes desta Jornada foram continuamente desafiados a viver em suas vidas o “sim” de Maria, seguindo com generosidade e fidelidade o chamado de Deus.

Durante cada evento da JMJ, os jovens mostraram um entusiasmo extraordinário e uma animação contagiante em todas as celebrações litúrgicas, ouvindo com atenção a palavra de Deus e as mensagens do Papa Francisco. O Papa falou a todos com simplicidade, sinceridade, senso de humor e um coração apaixonado por Deus e pela Igreja. Quatro foram os momentos principais da última JMJ, e em cada um deles o Pastor universal da Igreja deixou uma palavra.

Eis alguns trechos dos discursos do Papa:

1. Cerimônia de acolhimento e abertura da JMJ (24/01): “O discípulo não é apenas aquele que chega a um lugar, mas quem começa com decisão, quem não tem medo de arriscar e pôr-se a caminho. Se alguém se põe a caminhar, já é um discípulo. Se ficas parado, perdeste… O cristianismo é Cristo. Mais uma vez: É Cristo! É continuar o sonho pelo qual Ele deu a vida: amar com o mesmo amor com que Ele nos amou… Amou-nos totalmente, cumulou-nos de ternura, de amor; deu a sua vida… Maria soube dizer ‘sim’. Teve a coragem de dar vida ao sonho de Deus. E o mesmo nos é pedido a nós hoje”.

2. Via-Sacra com os jovens (25/01): “O caminho de Jesus para o Calvário é um caminho de sofrimento e solidão que continua nos nossos dias. Ele caminha e sofre em tantos rostos que padecem a indiferença satisfeita e anestesiante da nossa sociedade, sociedade que consome e que se consome, que ignora e se ignora na dor dos seus irmãos… Ensinai-nos, Senhor, a estar ao pé da cruz, ao pé das cruzes; … resgatai-nos da paralisia e da confusão, do medo e do desespero. Pai, ensinai-nos a dizer: estou aqui juntamente com o vosso Filho, juntamente com Maria e juntamente com tantos discípulos amados que desejam acolher o vosso Reino no coração”.

3. Vigília com os jovens (26/01): “Sem dúvida, a jovem de Nazaré não aparecia nas ‘redes sociais’ de então, não era … uma ‘influenciadora digital’, mas, sem querer nem procurá-lo, tornou-se a mulher que maior influência teve na história… Quereis ‘ser influencer’ (influenciar) no estilo de Maria, que teve a coragem de dizer ‘faça-se em mim’? Só o amor nos torna mais humanos, mais plenificados, o resto não passa de remedeio bom, mas vazio”.

4. Missa do Envio e do Encerramento (27/01): “Porque vós, queridos jovens, não sois o futuro, porque é normal dizer os jovens são o futuro, não. São o presente, vocês, jovens, são o agora de Deus… Ao longo de todos estes dias, como um fundo musical, acompanhou-nos de modo especial o ‘faça-se’ de Maria. Ela não Se limitou a acreditar em Deus e nas suas promessas como algo possível, mas acreditou em Deus e teve a coragem de dizer ‘sim’ para participar neste agora do Senhor. Sentiu que tinha uma missão, apaixonou-se, e isso decidiu tudo. Que vocês sintam que têm uma missão, deixem-se apaixonar e o Senhor decidirá tudo”.

Queridos irmãos diocesanos: no final da JMJ, o Papa Francisco anunciou que a próxima JMJ, no ano de 2022, será na cidade de Lisboa, Portugal. Quais os frutos a serem colhidos da JMJ do Panamá? Certamente a Igreja precisará valorizar mais a juventude, direcionando mais tempo, dedicação, energias e recursos financeiros àqueles que são o presente e o futuro da Igreja e da sociedade.

E a todos abençoo, particularmente todos aqueles que participaram da última JMJ ou ajudaram a tornar realidade este sonho de tantos jovens da nossa Diocese de poderem estar reunidos com o Sucessor de Pedro em terras tão longínquas.

Dom Vicente Costa
Bispo Diocesano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *