7 de julho de 2020

Jundiaí /SP

Menu

Maria de Lourdes Guarda

A Serva de Deus Maria de Lourdes Guarda nasceu em 22 de novembro de 1926, em Salto, SP. Filha de Innocêncio Guarda e Julia Froner Guarda, realizou seus estudos, como interna, no Colégio do Patrocínio, em Itu, pertencente às Irmãs de São José de Chambéry. Com 18 anos, já lecionava no Colégio da Congregação das Filhas de São José do Caburlotto, em Salto, e sonhava seguir os passos de sua irmã na vida religiosa. Porém, antes era preciso tratar de um problema de saúde em sua coluna, lesão que lhe causava muitas dores. Em 12 de agosto de 1947, passou pela primeira cirurgia na coluna, que não eliminou suas dores, precisando submeter-se a novas cirurgias. Em cinco anos realizou seis intervenções que se configuraram como tentativas frustradas para fazê-la andar. Já com o pé direito gangrenando e outras complicações na coluna, teve sua perna amputada acima do joelho. Os ossos dos quadris foram extraídos o que provocou a atrofia e a imobilidade total da perna esquerda. Foi preciso construir uma armação de madeira como proteção para não paralisar a circulação sanguínea. Ainda jovem, cheia de vida, com planos para o futuro, Maria de Lourdes viu-se totalmente imobilizada em uma cama, sem ao menos poder sentar-se, uma vez que foi necessário engessá-la com uma canaleta nas costas, do pescoço ao joelho. Em agosto de 1972, no Hospital Matarazzo, em São Paulo, comemora seus 25 anos de internação, porém, mesmo imobilizada, não deixou de fazer tricô e bordados sob encomenda para pagar as diárias hospitalares. Seu quarto era um ponto de encontro e de atração, reunindo não só amigos, mas pessoas de todas as classes sociais que buscavam consolo e ajuda para as suas carências. Sua alegria e paz de espírito irradiavam a cada dia para além das paredes do quarto. Aceitando e assumindo a sua realidade de paraplégica, abre espaço para acolher a graça de Deus. Seus amigos recordam que seu rosto era sadio, corado, e seus olhos azuis brilhantes, e que dizia: “nenhuma deficiência é impedimento para a vida”. Concretizou na sua história quanto São Paulo experimentou: “Basta-te a minha graça, pois é na fraqueza que minha força manifesta todo o seu poder” (2Cor 12,9). Engajada na Fraternidade Cristã de Pessoas com Deficiência (FDC), movimento internacional, fundado na França em 1981, foi eleita Coordenadora Nacional do movimento, permanecendo até 1992. Viajou pelo Brasil e América Latina graças a doações de passagens de uma empresa aérea, formando, em território nacional, mais de 250 grupos da Fraternidade. Faleceu em 05 de maio de 1996, em Salto, e, em 30 de setembro de 2011, seus restos mortais, já considerada Serva de Deus, foram transladados para o altar da Sagrada Família, na igreja matriz da Paróquia Nossa Senhora do Monte Serrat, em Salto.

ORAÇÃO PELA CANONIZAÇÃO DA SERVA DE DEUS
MARIA DE LOURDES GUARDA
Ó Pai, criador de todas as coisas, que nos destes em vossa filha, Maria de Lourdes Guarda, um extraordinário exemplo de aceitação plena de vossa vontade, dando testemunho de que, mesmo nos maiores sofrimentos e limitações físicas, pode-se viver o ideal evangélico da fé, esperança e caridade, concedei-nos que ela seja elevada à glória dos altares. Por sua intercessão, peço-vos a graça de que tanto necessito (faz-se o pedido). Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

Pai Nosso, Ave-Maria, Glória.

Para comunicar as graças recebidas:
CÚRIA DIOCESANA DE JUNDIAÍ
Causa de Canonização de Dom Gabriel
Rua Engenheiro Roberto Mange, 400, Anhangabaú
Jundiaí-SP, Brasil
CEP 13208-240

Memorial Maria de Lourdes Guarda

 

Rolar para cima