Cinco mil jovens se reúnem em Jundiaí para Encontro Vocacional

*

“A Igreja Católica é retrógrada, um lugar de velhos que vai contra a ciência, poda a liberdade e impede o desenvolvimento”. Este é um discurso comum de escutar nas escolas, nas universidades, nos programas de televisão, nos telejornais, nos ambientes de trabalho e na roda dos amigos. São palavras que constantemente lemos, em tempos tão tecnológicos, em blogs, sites e postagens nas redes sociais.

Somado a isso, vemos a perseguição sofrida pelos cristãos em vários países do mundo, tendo como exemplo recente e latente os ataques que a Igreja tem sofrido na Nicarágua. Diante de tais constatações, a lógica nos leva ao óbvio: não vale a pena “fazer parte de uma instituição fracassada”.

Mas, ao mesmo tempo que tais acontecimentos possam nos assustar enquanto cristãos e desacreditar aqueles que estão afastados, outros recentes acontecimentos da Diocese de Jundiaí confrontam estes pensamentos, animando quem busca viver autenticamente o Batismo. Acontecimentos na nossa Igreja Particular, mas que refletem o olhar amoroso de toda a Igreja para com os jovens, como está sendo visto com a preparação da XVI Assembleia Geral Ordinária dos Bispos com o tema “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”.

No início do mês de julho (de 6 a 8), mil jovens da Diocese de Jundiaí participaram da Jornada Diocesana da Juventude e no dia 22 de julho, aproximadamente cinco mil jovens do Caminho Neocatecumenal de mais de 20 dioceses do estado de São Paulo se reuniram na Chácara dos Sonhos, no bairro Medeiros em Jundiaí, para um Encontro Vocacional.

São jovens de 13 anos para acima, estudantes, universitários, pesquisadores, que manifestam a alegria de serem cristãos, que tem como principal razão a certeza do amor de Deus, um amor que impulsiona para a paz, para a Verdade e para a liberdade. A liberdade, inclusive, de renunciar aos próprios projetos para viver os planos de Deus, dizendo sim ao chamado para o presbiterado, para a vida religiosa, para a missão, ou para o matrimônio cristão, aberto à vontade de Deus. E, vivendo assim, ser verdadeiramente feliz.

A caminho da Jornada Mundial da Juventude

O Encontro estava marcado para iniciar às 14h, porém, às 8h30, os jovens começaram a chegar, uns vindo de mais longe, como os 1200 da Diocese de Franca que viajaram mais de cinco horas, ou os mil jovens da Diocese de Jundiaí que tinham a alegria de ser os anfitriões.

Com instrumentos de corda e percussão, os jovens foram tomando conta do espaço, dando uma configuração colorida ao local por conta das camisetas personalizadas que usavam, identificando as respectivas cidades. Os de Jundiaí de azul mais escuro, os de Franca de azul mais claro, os de Mogi das Cruzes de branco, os de São Paulo de cinza, e de verde, e de laranja, amarelo e vermelho.

Cada grupo sereunia para rezar as Laudes e depois aproveitaram o resto da manhã para descansar, comer, confraternizar, fazer novas amizades e, por que não, trabalhar para conseguir pagar próxima a Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que acontece em janeiro de 2019, no Panamá. Nessas horas, o desejo de estar com o Papa Francisco coloca de lado a timidez e faz aflorar toda a persuasão para convencer os clientes.

Um grupo de jovens músicos da Diocese de Mogi das Cruzes se reuniu debaixo das árvores e tocavam em torno de uma caixa aberta no chão onde dentro havia uma rifa de uma moto de uma televisão. Pegue um número e deixe o dinheiro.

Outro grupo, de Salto, Diocese de Jundiaí, estava vendendo botons personalizados. Caminhando pelo local, era comum ouvir “olha o cone de chocolate! Olha a trufa!”.

“Espero hoje escutar uma Palavra de Conversão, como se fosse um combustível para continuar a caminhada da vida que é tão desgastante e muitas vezes me esqueço de Deus, do Seu amor, da história que Ele tem feito na minha vida. Espero ter um encontro com Deus e proclamar que Deus é poderoso e tem feito grandes coisas por mim”, era a expectativa da jovem Maiara Thaís Barreto, da cidade de Cotia, Diocese de Osasco.

O sim a Deus

Às 14 horas, no entanto, todos se acalmaram e se preparam para receber a equipe de catequistas itinerantes responsáveis pelo Caminho Neocatecumenal no Brasil, que conduziu o encontro, formada pelos espanhóis Pe. José Folqué, Pilar de la Plaza e Raul Viana, acompanhados também pela equipe responsável pela Diocese de Jundiaí, Pe. Joaquín Anton Carrazoni, o casal Melchor e Elvira Delgado e o jovem Miguel Alvarez. Junto com eles, chegou também o Bispo Diocesano de Jundiaí, Dom Vicente Costa, que presidiu a celebração.

Da esquerda para a direita: Pe. José Folqué, Pilar de la Plaza, Raul Viana, Pe. Joaquín Anton, Melchor, Elvira e Miguel Alvarez

Enquanto Dom Vicente se preparava, Pe. José se dirigiu aos jovens recordando o Evangelho do dia, Mc 6, 30-34, em que Jesus convida os discípulos “Vinde, a sós, para um lugar deserto, e descansai um pouco!”.  O Encontro contou com a participação dos padres diocesanos: Adilson Amadi, Agnaldo Tavares Ribeiro, André Monteiro, Daniel dos Santos Rosa, Laerte Rinaldi, Leandro Megeto, Marcelo dos Santos, Marcos Adriano Paulino, Milton Vicente e Carlos Rafael Casarin.

*

Dom Vicente deu as boas-vindas a todos e como de costume, destacou três aspectos importantes para os jovens:

Primeiro, “uma saudação carinhosa a todos. Que a gente se esquente, não só pelo calor, mas pelo amor de Cristo que nos impele e impulsiona”, saudou Dom Vicente fazendo referência ao forte sol que fazia no momento.

Segundo, “não podemos nos esquecer da JMJ do Panamá que se aproxima. Há obstáculos, mas com garra e perseverança conseguiremos estar lá”, animou o Bispo, que ainda manifestou o desejo de que todos voltassem para casa mais apaixonados por Jesus Cristo e pela Igreja.

E terceiro, recordou a 5ª Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe (maio de 2005), quando a Igreja indicou o caminho a seguir para sermos discípulos apaixonados: o encontro com Jesus, a conversão, o discipulado, a comunhão e a missão.

Por fim, em vista do chamado vocacional que aconteceria ao final, Dom Vicente convidou os jovens a responderem como a Virgem Maria, sem medo, dizendo “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a Tua palavra”.

A primeira parte do encontro foi marcada pelo anúncio do Querigma pelo Pe. José Folqué, o anúncio da Boa Notícia do Amor de Cristo por cada um, manifestado na Cruz, um amor que se entrega livremente pelo outro sem exigir nada em troca, mas amando a cada um como é. A boa notícia da redenção de Cristo que liberta os homens da escravidão do pecado e, através de sua ressurreição nos dá a esperança da ressurreição para a vida eterna.

Após o Querigma, foi lido o final do Evangelho de Mateus quando Jesus entrega aos discípulos a missão de evangelizar a todos os povos. “Este é um encontro vocacional porque a Igreja precisa dos jovens!”, afirmou Pe. José.

Primeiro, para os rapazes foi feito o chamado para o presbiterado ou para a missão como missionários itinerantes. Quarenta moços se levantaram, disponíveis para partir a evangelizar onde o Senhor os mandar.

No segundo chamado, vinte moças disseram sim ao chamado para a vida religiosa, para serem esposas de Cristo, intercedendo pelo mundo nos conventos de clausura.

A partir de agora, estes jovens levantados passam a frequentar os encontro vocacionais em suas dioceses para discernir o chamado.

Perseverar

Este Encontro Vocacional teve a finalidade de animar os jovens no combate da Fé e a se manterem fiéis a comunidade cristã ao qual foram chamados e sem a qual não se pode evangelizar.  “O que mais me marcou hoje foi a importância de estar caminhando e não dialogar com o demônio. Nas crises, eu esqueço disso e abandono a comunidade e como foi dito, não dá pra estar longe da comunidade”, foi a experiência de Maiara. Esta palavra também foi importante para a jovem Camila Morais Canavese, da Diocese de Santos: “A Palavra de hoje me deu uma injeção de ânimo para não desanimar da comunidade. Independente de todas as dificuldades, desavenças e perseguições, Deus faz uma história de salvação para mim nessa comunidade, onde também vem me mostrando Seu amor por mim”. Ela é uma das jovens que vai para a próxima JMJ: “Me sinto muito animada. Sei que Deus sempre tem uma palavra para me dar, mas durante as peregrinações tudo fica ainda mais forte, parece que a presença de Deus está ainda mais evidente a cada passo durante toda a Jornada. Estou bem ansiosa para viver esta Jornada do Panamá e ouvir as Palavras do Santo Padre”.

Alguns podem dizer que a Igreja é velha, retrógrada e fracassada, mas os que os jovens tem nos mostrado é que ela viva, é jovem e quer dar ao mundo a certeza do Amor de Cristo que pode curar todas as dores e sofrimentos, dando a paz e a felicidade que todos almejam.

*Fotos de João Paulo Figueiredo

4 comments

  1. Foi uma experiência profunda, porque você não está só, o Espírito Santo que a igreja tem e nos da gratuitamente preenche qualquer obscuridade da nossa vida. Foi um dia que nós encontramos força para lutar contra o homem da carne.

  2. HBendito seja Deus que nos reuniu por Jesus Cristo nosso Salvador e pela ação do Espírito Santo na Igreja.
    Bendita seja a Virgem Maria nossa Mãe , a Igreja que nos educa na Fé.
    Bendito seja Deus por estes Jovens que nas Famílias receberam a Educação na Fé.

  3. De fato um momento onde foi possível ver a graça que é estar na igreja. O quanto Deus tem nos defendido. Bendito seja o Senhor!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *