Cheios de fé em sua oração

O encontro aconteceu nos jardins do Solar do Barão, no Centro da cidade, na sábado 15 de dezembro.

Um ato ecumênico reuniu líderes religiosos para celebrar os 363 anos de Jundiaí.

Participaram Dom Vicente Costa, Bispo Diocesano, representando a Igreja Católica; Cássio Rezende, da União das Sociedades Espíritas; Rose Segalla, da Umbanda; o monge Ananda Avabackita, Budista; o Pastor Jailson Marinho, da Igreja Assembleia de Deus; Dante Parronchi, da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos últimos dias.

O Vice-Prefeito Antonio de Pádua Pacheco representou as autoridades civis do município.

Seguindo o exemplo de Jesus que orou, denunciou os pecados e chorou por Jerusalém, sua cidade (cf. Lc 19, 41-42), Dom Vicente rezou e apresentou ao Senhor dez pedidos para que Jundiaí se torne, de fato, a cidade dos sonhos de todos os jundiaienses.

Eis o que esperamos e pedimos ao Senhor para Jundiaí:

  1. Uma cidade justa, fraterna e solidária, onde a justiça e a paz se abraçarão (cf. Sl 85[84],11);
  2. Uma cidade onde nós, seus cidadãos e cidadãs, imitando a atitude de John Kennedy, possamos não perguntar o que Jundiaí pode fazer por nós, mas sim o que nós podemos fazer por Jundiaí;
  3. Uma cidade ecumênica, pautada pela Palavra de Deus, para que Jesus Cristo seja para todos nós, seus moradores, o Caminho, a Verdade e a Vida (cf. Jo 14,6) e a felicidade que todos procuramos;
  4. Uma cidade humana, onde a tirania do poder econômico respeite verdadeiramente a dignidade de cada pessoa humana, como filho e filha de Deus;
  5. Uma cidade parceira, onde as lideranças políticas, sociais, econômicas, religiosas e culturais se unam e considerem o bem maior da cidade como o supremo bem;
  6. Uma cidade fraternidade, onde não faltem o trabalho justo e digno, a educação, a saúde, a terra, a moradia, a segurança e o pão para todos;
  7. Uma cidade família, onde todos vivam como irmãos e irmãs, no maior respeito pelo outro e pela outra, e onde a família seja realmente priorizada, pois o futuro da cidade de Jundiaí passa necessariamente pela família e pela felicidade da união dos nossos lares e do amor entre pais e filhos;
  8. Uma cidade educada e educativa, que acredita que toda reforma social tem suas raízes na educação em todos os níveis, desde o berço familiar até as nossas Universidades, que marcam tanto a vida social e cultural de nossa cidade;
  9. Uma cidade ecológica, preocupada com a terra, a água, as plantas, os bosques, a Serra do Japi, mas sobretudo com a ecologia humana, respeitando o bem-estar dos seus filhos e das suas filhas, seu maior tesouro;
  10. Por fim, uma cidade da Paz, onde reside a sede da Verdade, da Justiça, do Amor e da Fé.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *