O jornal O VERBO na vida e na missão da Igreja de Jundiaí

O que nós ouvimos, o que aprendemos … vamos contar à geração seguinte” (Sl 78[77],3-4).

“Prezados Irmãos e Irmãs da Igreja de Deus que se faz presente na Diocese de Jundiaí:

Há pessoas que não veem sentido em festejar aniversários ou comemorar datas especiais. Alguns brincam até, dizendo que não querem comemorar seu aniversário natalício por ficarem mais idosos!

Porém, o jeito bíblico de considerar o tempo e celebrar acontecimentos marcantes e significativos de sua história era bem diferente. Celebrar era tempo especial para elevar uma sincera e profunda ação de graças, a fim de reavivar a memória sempre misericordiosa da presença de Deus na história do povo. Era tempo também de retomar “o fervor dos primeiros tempos”, isto é, de assumir, no presente da história, com maior empenho, os compromissos assumidos no passado. Por fim, era tempo de olhar o futuro com renovada esperança e coragem, pois Deus, que esteve presente nas gerações passadas, não falharia em Sua atuação nos tempos vindouros. Realmente, diz a Palavra Sagrada: “O que nós ouvimos, o que aprendemos, o que nossos pais nos contaram, não ocultaremos a seus filhos; mas vamos contar à geração seguinte as glórias do Senhor, o seu poder e os prodígios que operou” (Sl 78[77],3-4).

O Jornal O Verbo da nossa Diocese está em festa, pois comemora a 500ª edição de sua publicação desde que “nasceu”, no dia 3 de julho de 1996. Naquele tempo, o objetivo era de se ter um jornal – no começo apenas mensal −, a serviço da evangelização, e que pudesse chegar a todas as Paróquias da Diocese. Sem dúvida: um ideal muito sublime e desafiador! O Bispo era Dom Roberto Pinarello de Almeida, e Bispo Coadjutor, Dom Amaury Castanho. No dia 2 de outubro daquele mesmo ano, Dom Amaury se tornaria o terceiro Bispo Diocesano. Formado em jornalismo e profícuo escritor que era, Dom Amaury priorizou a Pastoral da Comunicação (PASCOM), tornando o jornal diocesano quinzenal e com uma extraordinária tiragem. Não demorou muito para que O Verbo se tornasse um instrumento muito valioso e essencial na vida e na missão da Igreja que se faz presente na Diocese de Jundiaí.

De fato, creio que O Verbo desempenhou muito bem esta longa e maravilhosa trajetória ao longo desses quase vinte e dois anos. Entre sua riquíssima herança destaco, entre outras, a atualização que tem trazido da Palavra da Bíblia Sagrada, principalmente no encarte dirigido aos membros dos nossos Grupos de Rua. Tornou mais conhecida a palavra do Magistério da Igreja (o Papa, a Santa Sé, a CNBB, o Regional Sul 1 e os Bispos Diocesanos). Divulgou as notícias da Igreja espalhada pelo mundo inteiro, como também da nossa Igreja Particular, com seus Projetos Diocesanos da Ação Evangelizadora, atividades das Regiões Pastorais e das Paróquias, Organismos, Pastorais Específicas, Movimentos Eclesiais e Associações de Fiéis. Publicou muitos artigos interessantes para a vivência da fé cristã e da nossa espiritualidade. Enfim, O Verbo tem destacado os momentos mais marcantes da história da nossa Diocese, como foi o recente Jubileu de Ouro, celebrado recentemente (06/01/2017).

Queridos irmãos diocesanos: por que o jornal diocesano O Verbo continua sendo tão importante na Igreja Diocesana de Jundiaí a serviço do Reino de Deus? Todos hão de concordar que a Igreja tem sentido enquanto comunica e faz acontecer o Evangelho de Jesus Cristo. “Comunicar” quer dizer: tornar comum, repartir, fazer com que uma experiência vital seja compartilhada por todos. Por sua vez, “Evangelho” quer dizer: a boa mensagem, a boa notícia, a feliz notícia. Antes de voltar ao Pai, após cumprir sua missão nesta terra, o Senhor Jesus enviou os apóstolos com uma missão bem determinada: “Ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações, ensinando-lhes tudo o que aprenderam de mim” (cf. Mt 28,19-21). É a “boa notícia” que a Igreja precisa comunicar, com coragem e renovado ardor missionário, ou como São João Paulo II costumava pedir à Igreja dentro do projeto de uma “Nova Evangelização”: evangelizando com “novos métodos, novo ardor e nova expressão”. Por isso, evangelizar é comunicar. E a “boa notícia” é esta: a Pessoa de Jesus Cristo, enviado pelo Pai, para nos salvar e redimir do pecado e da morte, pela força do Espírito Santo. É uma notícia sempre atual e desafiadora, que precisa ser anunciada e testemunhada. Mas como diz o Apóstolo Paulo: “Ora, como invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele que não ouviram? E como o ouvirão, se ninguém o proclamar? E como o proclamarão, se não houver enviados?” (Rm 10,14-15), isto é, comunicadores da Palavra da Deus.

Claro que nosso testemunho de vida é pressuposto e a forma mais autêntica da comunicação. Mas neste mundo de comunicação, a Igreja comunica o Projeto de Jesus através de várias formas: o rádio; a televisão; o cinema e o vídeo; modalidades artísticas, como o teatro, a música, a pintura, a escultura, a arquitetura; e hoje, principalmente pelas novas tecnologias da era virtual da Internet. Contudo, tenho certeza de que a escrita impressa, como é o Jornal Diocesano O Verbo, tem ainda um papel muito importante a desempenhar ainda hoje.  É evidente que o nosso jornal precisa ser renovado a cada momento, com acurado profissionalismo, com novas tecnologias e formatos, a fim de ser sempre aceito e valorizado cada vez mais por todos, respondendo aos anseios e necessidades de seus leitores.

Queridos irmãos diocesanos: mais uma vez, meus sinceros parabéns por esta edição histórica do jornal diocesano O Verbo. Muito obrigado a tantos irmãos e irmãs que, ao longo da trajetória deste jornal, contribuíram, de uma maneira ou outra, para que chegasse, regularmente, a cada quinze dias, a nova edição. Agradeço a vocês, queridos leitores, da nossa Diocese e de tantos lugares, no Brasil e em outros lugares do mundo, que recebem o jornal ou o leem pela Internet no site da nossa Diocese. E muito obrigado também aos integrantes da PASCOM das paróquias e a outros irmãos que enviam notícias e material para serem publicados, particularmente a Equipe Coordenadora Diocesana da PASCOM, liderada pelo Padre Márcio Felipe de Souza Alves. Sim, queridos irmãos diocesanos: “Quero te dar graças, Senhor, de todo o coração, proclamar todas as tuas maravilhas” (Sl 9,2). Assim seja!

E a todos abençoo.

Dom Vicente Costa
Bispo Diocesano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *